24/06/2017

O meu Pedrógão é Grande

Sou de Pedrógão Grande. Normalmente tenho que explicar bem onde é para as pessoas saberem mais ou menos de onde sou. Deixou de ser necessário. Quando digo de onde sou, os queixos caem de espanto e horror. No passado sábado comecei a acompanhar o incêndio ao final do dia, quando soube da sua existência. Não dormi nessa noite e no dia seguinte liguei para o trabalho, expliquei a situação e eu e o Carlos entrámos no carro em direcção à minha casa. Fui barrada em três estradas diferentes na zona de Ferreira do Zêzere mas consegui entrar na aldeia.
Eram 15h mas lá era noite cerrada. Os meus pais tinham deixado a casa para trás e estavam num cafézinho da zona com o resto dos habitantes daquela rua principal. Não conseguia ver a minha casa no meio do fumo e chamas, mas consegui perceber que grande parte do nosso terreno estava a ser consumido por um fogo que parecia vivo. Estava certa que a minha casa também ia ser destruída.

Pedrógão

Os bombeiros não estavam nem perto. Na altura doeu-me, mas de modo racional consegui entender que eram poucos para a quantidade de emergências. Conseguimos pedir ajuda através de amigas (obrigada, Marta e Carolina) e pouco depois apareceu um jipe de sapadores. Deram a nossa casa como zona "segura". Deixei os meus pais na segurança do café e subimos armados de panos molhados à volta da cara e um extintor de 6kg (prenda do meu pai há uns meses). 
O Carlos salvou imediatamente a parte traseira da minha casa de pegar fogo, porque ele vinha rasteiro mas com força na direcção da casa. O meu pai tinha enchido bidões de água antes da luz faltar e a bomba de puxar água deixar de funcionar. Com baldes começámos a apagar focos de incêndio à nossa volta. Foi quando nos apercebemos que o telhado do barracão dos animais estava em chamas. Gastámos dezenas de litros mas controlámos esse fogo e os animais salvaram-se todos.

Pedrógão
A minha casa está ali no meio.

Durante horas lutámos contra o vento, o fogo, o calor. Os bombeiros apareceram para o rescaldo e controlo. Mesmo assim agradeço a sua presença. Mas o Carlos, eu, os meus primos e várias pessoas com tractores e bidões salvámos casas e animais. 
O fogo continuou a comer pinheiros, barracões e vegetação na direcção do rio. Mas na nossa zona não havia mais nada para arder. Ninguém se magoou ou morreu por milagre. E eu estava aliviada pela segurança dos meus pais, família e gente da terra. A noite foi de vigilância e os dois dias seguintes também. De rescaldo e ajuda pontual dos bombeiros. A EDP foi célere após a minha chamada e na terça ao final do dia os meus pais já tinham luz em casa (e água, consequentemente).
O meu coração dói cada vez que penso nas pessoas que morreram. Conhecia algumas. E dói-me pelas pessoas, pela terra, pela natureza. São precisas medidas de prevenção para os fogos florestais. E esse trabalho é feito no inverno. Será que este número de mortes vai servir para abrir os olhos dos que podem fazer algo? Porque não deveria ser preciso morrer ninguém. Ninguém.

Numa nota final, a ajuda que surgiu de toda a parte do país e não só emociona-me até às lágrimas. Camiões de comida, de bens essenciais, de comida para os animais chegam todos os dias ao meu concelho e aos nossos vizinhos. A minha mãe levou de colegas de Pombal o carro cheio de donativos de roupa e comida. Eu própria disse que ela podia tirar tudo do meu armário do quarto e doar. Sei que vai custar mas o verde vai voltar a florescer e as pessoas vão reerguer-se das cinzas. Porque é uma terra de gente rija.

11/06/2017

Feira do Livro: relatório de danos

A Feira do Livro começou no Dia da Criança. Tem imensos participantes e editoras representadas. O espaço está incrível com inclusão tanto de mamãs e bebés com um Berçário como dos nossos amigos de quatro patas com um local chamado Refrescão para beber água e descansar. Tenho a aplicação da Feira instalada no telemóvel e tem sido uma ajuda preciosa. São tantas barraquinhas com tantos livros que uma pessoa pode ficar desorientada.
Eu que o diga. Já lá estive 4 vezes. E os danos ao meu orçamento começam a notar-se. No primeiro dia, comecei a delinear um plano tendo em vista os livros que quero e as promoções disponíveis. Já tenho dois livros cá em casa. E conto comprar apenas mais um. Isto se também quero aproveitar uma sardinhada nos Santos Populares.

Livro

30/05/2017

Proteger e cuidar a pele com a Blue Therapy da Biotherm

Ao longo destes dias pude experimentar os cuidados de pele Blue Therapy da Biotherm como já vos tinha dito. E apesar de me ter custado um bocadinho substituir o meu amado creme diário, sinto que a experiencia valeu a pena. (Obrigada, Youzznet!)
Com apenas duas pequenas amostras do creme de noite e do sérum, o creme que durou mais foi o que aplicava de manhã. 
Primeiro ponto, é muito espesso. Se não gostarem de uma textura mais cremosa dificilmente se vão habituar este creme. No entanto, espalha muito bem aquando da aplicação. Mas a sensação na pele foi o que mais me desagradou. Fiquei com a impressão de que é um creme de inverno ou para peles mais desidratadas e frágeis do que a minha. Demora a absorver e sentia a pele a esforçar-se para assimilar toda a "informação" do creme. 
Para contrariar esta minha mania de implicar com pequenas coisas, cumpriu com o que prometia. Protegeu da exposição e hidratou porque não desatei a ficar com peles mortas na cana do nariz como é costume. Também fez uma óptima manutenção de todas as mazelas que faço na pele, ao melhorar algumas das cicatrizes de rebentar borbulhas. Fiquei agradavelmente surpreendida. Não tenho muitas rugas de idade ou expressão mas faço questão de pôr a minha mãe sob os cuidados Biotherm.
No futuro, recomendo este creme a alguém com a idade da minha mãe e, devido à esquisitice de ambas, para usar no inverno ou muito pouca quantidade no verão. Mas lá está. Já usei produtos da Biotherm e, sinceramente, nunca fiquei desiludida.

21/05/2017

Evento | Open Mag

No dia 6 de Maio pude ir ao evento da revista Saber Viver, OpenMag na LxFactory graças à.... Youzz Portugal, claro! Nunca vão poder acusar-me de não vos avisar sobre a plataforma e como é fixe estar dentro desta comunidade. Eram dois dias cheios de actividades, promoções e workshops, mas infelizmente só consegui mesmo uma manhã porque era dia de trabalho.
Entrei e fiquei atordoada. Não sabia bem para onde me virar então o aconteceu o previsível. Estagnei perto das marcas que conheço e adoro. Respectivamente, Nivea, Bio Oil e a Wiñk. Pude experimentar a nova gama da Nivea e os cheiros e texturas são maravilhosos. Na Bio Oil estive a conversar com a gestora da marca em Portugal (a rapariga linda de cair para o lado na foto) e trazer umas amostras, como se não tivesse um frasco cheio a ser besuntado em mim diariamente. E na Wiñk estavam a fazer promoção de threading de sobrancelhas que corri a aproveitar. É o único sítio onde faço as sobrancelhas em Lisboa. Simples, fácil e eficaz.
Como o meu horário de trabalho mudou recentemente espero poder voltar a ir a um evento destes com mais tempo e aproveitar ainda mais. Poder ir ver os workshops, experimentar as últimas tendências de maquilhagem, experimentar aulas de exercício e poder desfrutar dos desfiles de moda.

Evento

Evento

Evento

Evento

Evento

Evento

Evento